A Irmandade do Bode do Livro Brejolândia dos Cafundôs


A Irmandade do Bode


Tia Nicinha deixara um recado na minha secretária eletrônica: “Que eu comparecesse sem falta no sábado próximo à sede de Brejolândia, pois que o tio Arlindo precisava muito dos meus préstimos, para um assunto de relevada importância.”
Tão logo cheguei, a tia me encaminhou sem mais delongas, para a grande varanda que fica do lado do córrego das Antas.
Lá me deparei com um grupo de cavalheiros sérios e circunspectos, que conversavam à meia voz, sugerindo assunto de maior gravidade.
Alguns deles eram velhos conhecidos, como o Desembargador Gumercindo, o tio Maurilio, o primo Tadeu, seu Antonio da venda, professor Astromar Falcome, dentre outros.
Tio Arlindo fez apresentação dos outros senhores entre eles um tal de professor João Jorge Jaboatão.
Segundo o tio, o sujeito com um carregado sotaque baiano, era escritor, pensador e filosofo.
O Desembargador Gumercindo com ar grave pediu a palavra:
- Já que estamos todos aqui reunidos, podemos começar a nossa reunião. Como os senhores sabem a mãe Terra agoniza. Vitima indefesa da ação predatória do Homem, o nosso planeta pede socorro. Vou passar a palavra ao professor Jaboatão que conduzirá esta conferência.
O Professor pigarreou, tomou um gole de água e começou:
- Senhores, as atenções do mundo estão divididas hoje entre o Fórum de Davos na Suíça e o Fórum social de Porto Alegre, onde se discute o destino do Mundo. Por isto este é o momento ideal para realizarmos o Fórum Mundial de Brejolândia dos Cafundós. Estudos exaustivos me permitiram localizar o ponto mais energético da terra, onde qualquer operação de salvação deve efetivamente começar. Caros senhores Brejolândia é o umbigo do mundo e seu futuro depende deste pequeno e seleto grupo aqui reunido. Os senhores foram escolhidos a dedo para salvar o mundo.
Sem querer deixei escapar uma risada. O professor me fulminou com o olhar como se eu fosse um pernilongo. Pedi desculpas e ele prosseguiu.
- Estamos fundando aqui, hoje uma sociedade secreta que vai ter a nobre e difícil missão de salvar o planeta da destruição. Esta aberta a primeira sessão da Irmandade do Bode.
O primo Tadeu questionou:
            - Mas professor, porque do bode? Não poderia ser outro animal mais nobre?
O professou respondeu impaciente:
            - Você está equivocado meu jovem. O bode é o símbolo da energia potencial passiva. A imagem da sabedoria da ociosidade, paciência e sapiência. Vejam só o bode Jacó do seu tio Arlindo.
E apontou para o gramado lateral onde o velho Jacó se mantinha amarrado à cerca de arame farpado, mascando incansável seu chiclete de capim gordura.
E o professor continuava:
- Os senhores já ouviram falar na lei de Murphy. Murphy foi um pensador e filosofo escocês que propôs uma tese interessante. Segundo ele se alguma coisa tiver que dar errado com certeza dará. Por exemplo, quando o pão cai no chão quase sempre o lado da manteiga cai prá baixo. Ou quando você está numa fila a outra fila do seu lado anda mais depressa. Se você passar para a fila mais rápida a primeira começa a andar mais depressa. Entenderam?
O tio Maurilio emendou:
            - Entendi professor, por exemplo, se chover louras, vai cair um negão na nossa cabeça.
 - Não é bem isto Maurilio, mas você já começou a entender. Enfim a tese que eu defendo é que toda vez que o homem faz alguma coisa ele dá uma cagada e o mundo piora. A filosofia da nossa Irmandade vai fazer a única coisa que neutraliza a lei de Murphy, ou seja, não fazer nada, dando ao mundo a chance de se recuperar.
O Tadeu não se conformava com o animal símbolo da Irmandade:
            - Mas professor, o bode é um animal fedorento, com aquela barbicha indefinida e aqueles chifres virados para trás. Não podemos escolher um animal mais nobre?
            - Jovem Tadeu, o bode carrega o sagrado fedor do saber, aquela barbicha impõe respeito e os chifres prá trás nos mostram a saída da humanidade; o retrocesso.
Todos acabaram concordando com o professor para ver se ele liquidava com aquela lengalenga, e no final ele propôs:
- Nicinha... Vamos completar o nosso ritual de iniciação. Sacrifique o bode Jacó e faça uma buchada caprichada prá gente.
O tio Arlindo que se mantivera um bom ouvinte até então, se esquentou de vez com aquela proposta:
- Matar o Jacó... Nunca. Só sobre o meu cadáver.
Estava formada a discórdia até que lembrei a eles que, para quem queria salvar o mundo, estavam dando mal exemplo, e sugeri que se fizesse uma galinhada em lugar da buchada.
E a Irmandade passou aquela primeira noite traçando uma galinhada regada à cachacinha de produção caseira do sitio. Eu já estava gostando daquela ideia de salvar o mundo.