Com Android mais forte, consumidor se dá bem no acordo Google-Motorola


  
O enorme sucesso do sistema operacional Android foi um dos motivos que motivou o Google a realizar a maior aquisição de sua história. A compra da divisão de celulares e tablets da Motorola por US$ 12,5 bilhões é uma importante mudança de panorama no mercado e bate de frente com a Apple e o seu iPhone. Agora, o Google que sempre atuou no desenvolvimento de softwares e soluções online agora passa a fabricar celulares.

» Com Motorola, Google se arma na guerra das patentes
» Google vai comprar Motorola por US$ 12,5 bilhões

"Compramos a Motorola para proteger o Android", avisou Larry Page, CEO do Google em uma conferência online com a imprensa nessa segunda-feira (15). O sistema operacional pode representar uma maior popularização dos celulares inteligentes, já que a presença do Google como uma empresa de hardware deve forçar uma maior penetração de aparelhos com aplicativos Android. Mas, o maior alvo é mesmo contra a Apple.

Uma das principais características dessa aquisição é a padronização do Android, já que agora o Google terá acesso a todas as etapas do desenvolvimento do produto, da concepção do software, hardware e distribuição. Com isso, devem surgir aparelhos mais completos que podem competir à altura com o iPhone. Atualmente, desenvolvedores tem problemas por causa da diversidade das versões do Android.

O desenvolvedor de aplicativos e programas para Android, Bruno Inojosa, sócio-diretor da Mobiclub, empresa embarcada no Porto Digital acredita que a aquisição da Motorola será uma vantagem para o mercado brasileiro. "Ainda é cedo para fazer uma previsão, mas a unificação da plataforma de desenvolvimento vai motivar mais empresas a criarem produtos para o sistema do Google". Atualmente, a experiência com o Android não é completa por conta dessa disparidade em relação às diferentes versões.

E o que o consumidor final ganha com isso? Atualmente, a oferta de aparelhos que proporcionam recursos e aplicativos de ponta e que concorrem com a Apple tem praticamente o mesmo preço do iPhone. O poderoso Samsung Galaxy S II que roda Android custa cerca de R$ 2 mil. Agora, aparelhos com configurações mais modestas poderão contar com um sistema operacional completo e com acesso à aplicativos mais recentes.