11 de Setembro - O Pesadelo Continua


Dez anos se passaram. As cenas ficaram gravadas na memória de bilhões de pessoas ao redor do mundo, sob os auspícios da Rede Global de Comunicação.

Aquele dia ficou marcado na história da humanidade com um dia único do calendário mundial.
O maior ataque terrorista que o planeta já viu inaugurou uma nova era na nossa história. Lembro-me bem, estava na casa de um cliente, na cidade de Sete lagoas, interior do Estado de Minas Gerais – Brasil e, enquanto passava um orçamento de serviço, via as cenas na TV da sala, onde crianças assistiam o que parecia mais um filme de ficção e tragédia de Hollywood.
Até que alguém comentou que aquelas cenas eram reais. Os Estados Unidos estavam sob ataque terrorista. A ficção saíra das telas e ganhara contornos de realidade, ao vivo e a cores no reality show que escancarava toda imbecilidade humana.
Fui para casa e passei o resto do dia a acompanhar as notícias do ataque pela TV, como todo mundo, aliás.
As cenas eram impressionantes. E talvez o mais impressionante era ver os Estado Unidos, momentaneamente sob nocaute. A maior potencia econômica e militar do mundo parecia tonta, letárgica sob um golpe nunca antes experimentado.
De onde viria o próximo? Mais do que a destruição das torres gêmeas no centro de Manhattan, e mais do que as milhares de mortes que se sucediam aos olhos atônitos do mundo, o mais duro golpe do terror atingiram em cheio o orgulho Yankee.
A ousadia do terror passara de todos os limites, não dava para acreditar na sua façanha.
Os Estados Unidos, até então, acostumado a se impor pela força diante dos seus adversários, caia agora de joelhos sob o mais duro golpe terrorista, e que todo seu poder financeiro e toda sua superioridade militar e tecnológica não conseguiram evitar.
Os aviões transformados em mísseis que atingiram o Word Traide Center e o Pentágono, foram a seguir convertidos em sinais digitais que continuaram a atingir o resto do mundo, como bombas de informação de efeito retardado.
O 11 de Setembro poderia ter sido evitado? Informações que se seguiram deram conta que sim.
Mas a Águia relaxou sob sua própria arrogância e não acreditou na capacidade de planejamento e execução da Al Qaeda, comandada por antigo aliado.
Osama Bin Laden planejou e comandou a operação e sobreviveu por dez anos à caçada implacável dos americanos para se vangloriar do feito, até ser morto em ação recente das Forças Especiais Americanas em solo paquistanês.
Que lição o mundo pode tirar do evento? Gostando ou não e sem entrar em méritos, a mesma que os filisteus devem ter aprendido quanto viram seu maior campeão, Golias, cair diante de um simples e frágil pastor.
Para os membros do terror, alucinados em suas crenças e presos em suas profecias, talvez tenha ficado a impressão que a mesma mão invisível que guiara a pedra de Davi, segundo a versão bíblica, tenha também guiado a operação de 11 De Setembro, no mais duro golpe que o terror conseguiu aplicar até então, no Grande Satã.
Já que o terror se vale da grande mídia para ampliar suas ações e busca sempre bater seus próprios recordes, o que o mundo pode esperar a partir daí. De onde e sobre quem virá a próximo e mais fatal golpe?
A Al Qaeda conseguiu tornar o planeta menos seguro. Depois de 11 de Setembro ficou a sensação de que qualquer País ou pessoa podem ser alcançados pela fúria e insânia das Organizações Terroristas que prosperam na calada da noite.
Estas ameaças que pairam sobre nossas cabeças são o alerta máximo de que todos nós somos responsáveis por promover e fazer prosperar um planeta mais humano e mais justo para os todas as formas de vida que tem nele sua Terra Mater.