Com a plenária lotada, a noite de sexta feira foi da Literata


A Literata, maior festa literária de Minas Gerais, promoveu duas mesas de debates nesta sexta feira, 25 de novembro. O diálogo entre a literatura e as outras artes foi o tema do primeiro encontro, que lotou a plenária no Casarão. Mais tarde, ainda cheia, a plenária assistiu ao bate papo entre os xarás José Eduardo Gonçalves e José Eduardo Agualusa, a atração internacional desta edição.

O primeiro debate, mediado por Michele Borges, contou com a argumentação de Paulo Cesar Bicalho, Ronaldo Fraga, Dr. Morris e Yara de Novaes. Do teatro à moda, passando pela produção musical, os debatedores puderam expor suas experiências próprias em trabalhos de adaptação. “Para fazer uma adaptação de um livro para o teatro não há como ser fiel. Algumas delicadezas são impossíveis de traduzir”, explicou Paulo Cesar Bicalho, diretor da adaptação de “Encontro Marcado” para o teatro, uma peça de grande sucesso.

Mais tarde da noite foi a vez de o público presente dialogar com o escritor angolano José Eduardo Agualusa, que falou sobre o desafio de escrever em português. O autor, viajante e conhecedor de muitos países que falam português explicou que a língua é a mesma, mas a leitura é totalmente diferente. Agualusa falou ainda sobre o processo de criação e produção de um livro. “Um livro não acontece se o autor não se apaixona por suas personagens. É a personagem que define o final do romance”, finalizou.