Sociedade de Autores Desconhecidos


Quanto eu fazia minha costumeira caminhada de fim-de-semana pela Avenida Norte-Sul em Sete Lagoas, por um momento senti que “eu não era eu” e que estava em outro local e outra época.
Esta sensação de ser como que transportado para outra dimensão de tempo/espaço, trouxe-me uma agradável sensação de liberdade.
Deixar para trás a vida cotidiana com todas as preocupações corriqueiras, todos os compromissos, todas as pressões que a vida profissional e social nos exerce, dentro da aldeia social, é uma experiência impar e enriquecedora.
Dentro dos poucos minutos que esta sensação perdurou, uma história completa passou-me pela mente, como um filme em alta velocidade.
Era na verdade um conto de ficção, mas carregado de significado e simbolismos, que só com o tempo fui conseguindo desvendar.
Chegando em casa comecei a passar esta história para o papel e isto me consumiu três dias inteiros de escrita quase que continua.
A história me fascinava e me atraia para seu universo, e só com muita dificuldade, eu conseguia dar pausa na escrita para resolver questões do dia a dia.
É esta a história que se segue:
Sociedade De Autores Desconhecidos é um conto que retrata na trajetória do protagonista, a luta de cada autor que acalenta em seu coração um sonho ardente, escrever e publicar um livro. Em busca deste sonho, não se curva a opiniões preconceituosas e arrogantes dos ditadores das formas e das cátedras. Na defesa de um ideal percorre estradas e move montanhas, para que o talento e a livre criação prevaleçam, antes e acima de tudo.
Leitura imperdível para quem deseja galgar os altos patamares que as letras podem conceber. As sensíveis lições de humanidade têm bom exemplo na fala de um dos personagens:
 
“A missão de um autor não é vender livros, mas fazer prosperar uma idéia. O autor é aquele que nunca desiste de escrever, vendendo ou não.
Representa para a sociedade a ultima defesa de valores e pensamentos.
As principais ferramentas de um autor são: imaginação, criatividade, talento e persistência. Busca em sua jornada, uma idéia que lhe incendeie a alma e sequestre seu coração. Computadores, canetas, mãos, dedos, papeis, tudo o mais são simples detalhes”.

As mensagens de otimismo e determinação deste conto estão personificadas em cada linha, na energia latente das palavras que curam e criam vida.

A única coisa de um autor, que prevalece nesta vida, após sua morte são suas palavras, que uma vez escritas continuam eternamente Palavras.