Disputa entre tablets está cada vez mais acirrada


As vendas de tablets no mundo, de acordo com a empresa de pesquisa IHS iSuppli, devem subir para mais 60 milhões de unidades este ano e até 2015 podem superar a casa dos 275 milhões. Diante de números assim, não é à toa que as fabricantes venham destinando pesados investimentos no segmento, com ficou claro na edição deste ano da IFA (sigla de Internationale Funkausstellung), uma das principais ferias de tecnologia de consumo do mundo, que encerrou sua 51ª edição ontem, em Berlim (Alemanha), com a participação das mais importantes empresas mundiais de tecnologia e eletrodomésticos.

Em 2010, o tablet Samsung Galaxy Tab foi o destaque da feira, sendo o primeiro concorrente de peso ao iPad. Dessa vez, a concorrência nesse segmento mostrou-se bem mais acirrada. A Sony mostrou que vai fincar pé no mercado de tablets apresentando dois modelos que chamaram atenção. Um deles é uma prancheta que conta com recursos de controle remoto universal para rádios, decodificadores de TV a cabo e televisores de várias marcas. Chamado simplesmente de S, o modelo tem design curvo, tela de 9,4 polegadas e conexão Wi-Fi. Será oferecido nos Estados Unidos, com 16GB, por US$ 499, e na versão de 32GB por US$ 599 (preços similares ao do iPad). Outro modelo mostrado pela Sony, chamado P, tem 4GB de memória e é equipado com duas telas de 5,5 polegadas que se dobram quando é fechado. Também tem conexão de rede celular 4G. Segundo a fabricante, ele começará a ser vendido até o fim do ano, mas não adiantou preços. Por enquanto, o modelo será distribuído exclusivamente pela operadora norte-americana AT&T. Os tablets da Sony executam o sistema operacional Android, do Google.

Família mais rica

Já a Samsung tratou de ampliar a família Galaxy, também com Android. Apresentou na feira o Galaxy Note Tab, equipamento que permite aos usuários escrever diretamente na tela do gadget com uma caneta digital e a versão do Galaxy Tab 7.7. O Note vem com uma tela Super Amoled de 5,3 polegadas e pode ser usado como um smartphone ou como um smart notepad. Com uma caneta digital, o usuário pode sublinhar textos em documentos ou livros eletrônicos. É ideal para quem quer tomar notas rápidas e atualizar seus calendários semm usar o teclado. Já o Galaxy Tab 7.7 é o primeiro tablet a oferecer a tecnologia de tela Super Amoled Plus, da empresa, com cores ainda mais fortes. Mais fino e leve do que seu antecessor, tem display é de 7,7 polegadas e também pode ser usado como um telefone. Os dois lançamentos da Samsung contam com processador dual-core de 1,4 GHz e sistema Android (2.3 para o Note e 3.2 para o Tab 7.7). O Note começa a ser vendido em novembro na Europa por cerca de US$ 800 e o Tab no fim do ano por US$ 750 dólares. (Com agências)



Eterno fascínio das TVs

Na área de TVs, junto à eterna briga de que faz o equipamento mais fino e, mais recentemente, de quem domina melhor a tecnologia 3D, a IFA mostrou ainda que as fabricantes estão investindo em produtos os quais os usuários possam utilizá-los como um centro multimídia conectado à internet. Dentro disso, até os smartphones e os tablets ganham mais uma função: controlar remotamente as TVs. O controle remoto como o conhecemos, fica, dessa forma, num segundo plano.
Grandes fabricantes como LG, Philips, Samsung, Toshiba e Sony mostraram isso na prática. As smart TVs, ou televisões inteligentes, ficam conectadas diretamente à internet por rede wireless e o controle delas é feito via aplicativos. Nesse mundo high-tech, as próprias TVs passam a ter aplicativos de conteúdo e, como ficam conectadas à web, podem oferecer acesso a versões, por exemplo, do Facebook, própria para a telona, por exemplo.

É o que se chama, também de integração. Tais televisores já contam com versões gratuitas de aplicativos como o “controlador da TV” na Android Market e na App Store. Ou seja, a interface de um portátil (tablet ou smartphone) favorece uma experiência de navegação pela tela da TV. Exemplificando, um usuário pode utilizar o teclado virtual do portátil para digitar endereços dos sites que vão aparecer na tela do televisor com acesso à internet. As principais fabricantes já comercializam no Brasil aparelhos com acesso à web e de controle via smartphone. LG, Philips e Samsung contam com as linhas de nome SmartTV, enquanto a Sony oferece modelos da Internet TV.

Fabricante retira aparelho da feira

Depois que um tribunal alemão deu novamente razão à Apple no processo que move contra a Samsung envolvendo patentes, a fabricante sul-coreana foi obrigada a retirar da feira o seu Galaxy Tab 7.7. A Apple acusa a concorrente de copiar o modelo e a tecnologia do iPhone e do iPad. Os dois gigantes tecnológicos estão desde abril envolvidos numa verdadeira guerra judicial sobre patentes de seus produtos. A sentença do tribunal só afeta a território alemão, não impedindo o lançamento do tablet no mundo, mas representou a retirada das vitrines expositoras de uma das principais novidades da feira. O mesmo tribunal já havia suspendido, no mês passado, a venda do Galaxy Tab 10.1. A Samsung afirmou que vai continuar lutando para que os alemães continuem tendo acesso a seus produtos.

Uma nova tendência: os ultrabooks

A Intel propôs na Computex – evento de tecnologia realizado em junho, em Taipei (República da China) –, uma nova categoria de computadores portáteis que chamou de ultrabooks (o Informátic@ abordou o assunto na edição passada em entrevista com o vice-presidente da Intel Shmuel Mooly Eden). Eles são equipamentos finos, bem leves, apresentam inicialização bem rápida e oferecem alto poder de processamento. Alguns fabricantes compraram a ideia e já exibiram modelos desse novo tipo de máquina na IFA 2011.

A Acer, por exemplo levou à feira o modelo Aspire S3, com diferentes versões de processadores Intel e a promessa de inicialização do computador em menos de cinco segundos. Sua tela é de 13,3 polegadas e tem duração de bateria de até sete horas. Segundo a empresa, vão chegar ao mercado europeu com preços entre 799 euros e 1.199 euros (perto de R$ 1.800 e R$ 2.800).

A Lenovo, por sua vez, mostrou o U300S, que é equipado com o Windows 7, tem tela de 13,3 polegadas, oito horas de autonomia de bateria e oferece armazenamento de dados via discos SSD. De acordo com a Lenovo, o sistema operacional se inicia em no máximo 11 segundos e seu preço, no mercado europeu, deve ser de 960 euros (cerca de R$ 2.240).

A Samsung igualmente entrou na lista dos interessados em fabricar ultrabooks apresentando a série 9 que, segundo informa a fabricante, inicia completamente o sistema operacional em até 15 segundos e tem autonomia de bateria de sete horas em uso ininterrupto. A tela também é de 13,3 polegadas.

E a Toshiba mostrou o ultrabook Portégé z830, só que os interessados só puderam vê-lo dentro de uma redoma de vidro. Sabe-se apenas que ele pesa 1,12 quilo e tem 1,6cm de espessura. Nenhuma outra informação foi repassada pela empresa, nem com relação a datas de lançamento ou preço.

Vem por aí...

» A Sony lançou o HMZ-T1, um visor que cobre completamente os olhos, como os capacetes de realidade virtual, e é equipado com duas telas Oled de 0.7 polegadas com resolução de 1.280 x 720 pixels. Como estão diretamente sobre os olhos, elas passam ao espectador a sensação de estar olhando para uma tela de 750 polegadas a 20 metros de distância. O aparelho é ainda equipado com um sistema de som Surround 5.1. Chega ao mercado japonês em novembro com preço estimado em cerca de R$ 1.250

» Um dos destaques da linha Internet TV da Sony, com tecnologia 3D e que necessita de óculos ativos (com bateria), é o modelo KDL-40NX720, apresentado na feira, que oferece acesso a conteúdos diretamente da Sony Entertainment.

» Com sua linha Bravia, a Sony ajuda telespectadores que não conseguem chegar em casa a tempo de ver um programa. O usuário pode acessar o serviço Bravia Internet Video, algum tempo depois do término da atração, e assistir ao episódio que perdeu.

» A LG mostrou na IFA a TV LZ 9900, modelo considerado pela companhia sul-coreana como a maior tela 3D do mundo. O televisor, um LCD LED, tem 72 polegadas e resolução Full HD

» Na área das Smart Tvs, a LG apresentou o modelo LCD Led LW 579S, com óculos 3D passivos (sem bateria), resolução Full HD e sistema de navegação que permite instalar aplicativos da LG Apps. Vem ainda com portas USB e permite gravação de conteúdos da TV

» A Panasonic anunciou na IFA programa de pagamento de conteúdo para aparelhos habilitados com Viera Connect Market – recurso que permite conexão com a internet via wireless. O serviço fica na nuvem e permite ao usuário comprar ou alugar filmes sem sair de casa

» A Sharp, depois da consolidação da resolução Full HD (1.080 linhas), apresentou a tecnologia conhecida como 8k (com aproximadamente 8 mil linhas de resolução). A tela exposta na feira surpreendeu pela qualidade das imagens. Por enquanto, só está sendo usada para testes
» A Philips anunciou que o seu sistema de SmartTV ficará alocado na nuvem. Também exibiu aplicativos para smarpthones e tablets, que funcionam como controle remoto. Tecnologia da empresa permite experiência de navegação muito parecida com a de computadores convencionais

» A marca chinesa TCL chamou a atenção por desenvolver uma espécie de controle remoto baseado no Kinect. Para mudar os canais, basta movimentar a mão em frente a um sensor que a TV obedece. Foi apresentado como protótipo e em fase de testes

» A LG criou, e levou para a IFA, uma nova tecnologia que permite ao usuário escrever e selecionar itens no televisor com uma caneta digital sensível.
Por Silas Scalione, do ESTADO DE MINAS